Dra. Larissa Viana

Peeling físico x químico: entenda a diferença

Peeling físico x químico: entenda a diferença

Se você já teve manchas na pele, ou conhece alguém que já teve, com certeza já ouviu que uma solução para esse problema é o peeling. Entretanto, existem diferentes tipos de procedimentos com a mesma finalidade. É importante avaliá-los antes de decidir por qual irá buscar. Entenda melhor sobre o assunto neste artigo!

Quando o peeling é indicado?

Pode ser chamado de peeling qualquer procedimento com o objetivo de remover as camadas superiores da pele, buscando a renovação da estrutura. Esse tipo de tratamento é indicado em casos de manchas cutâneas, cicatrizes escuras, acne e até mesmo para estimular a produção de colágeno na região.

O peeling pode ser divididos em duas categorias: físico (abrasivos esfoliantes); químico (ácidos que estimulam a renovação dos tecidos).

O peeling físico e suas particularidades

A atuação do peeling físico na pele ocorre por meio de esfoliações, que estimulam a renovação da camada superficial da pele. Esse tipo de peeling costuma ser menos agressivo e indicado para quem busca retoques mais leves, como pequenas manchas superficiais e poros dilatados.

Neste tipo, enquadram-se o peeling de cristal, diamante, microdermoabrasão, além de outras técnicas esfoliantes, que produzem um “lixamento” leve na pele. O peeling físico ajuda a reduzir manchas, acnes, poros e a devolver o brilho e vitalidade à pele.

Peeling químico e sua atuação

O peeling químico, como o próprio nome diz, funciona por meio da aplicação de produtos químicos na pele. Geralmente, são utilizados ácidos para estimular a descamação da pele e sua renovação. Ele pode ter diferentes intensidades, para tratamentos leves a agressivos. Este tipo é indicado para a redução de rugas finas, cicatrizes, manchas e acnes.

Em alguns casos, o peeling químico pode ser utilizado de forma a estimular uma descamação tão profunda, que precisa ser realizado após avaliações físicas e em ambiente cirúrgico, como acontece com o peeling de Fenol.

Como os peelings químicos podem ser mais profundos, pode ocorrer a formação de crostas advindas da cicatrização da pele após o procedimento. Elas nunca devem ser retiradas e o paciente deve se policiar para não “cutucar” a região. É preciso maior atenção com o uso de protetor solar, para evitar que os resultados sejam reversos.

Decidindo o procedimento ideal 

Como mencionado anteriormente, o peeling físico é mais superficial, enquanto algumas opções de peeling químico atuam de maneira mais profunda. Os tratamentos podem ser utilizados para diferentes finalidades, portanto, é importante consultar um profissional especializado para que seja definido aquele que trará melhores resultados.

De todo modo, as principais indicações do tratamento com peeling são:

  • melasmas
  • acne
  • poros dilatados
  • manchas de hiperpigmentação
  • rugas finas
  • pele opaca
  • cicatrizes

É importante buscar o auxílio de um dermatologista para que seja escolhido o tipo de peeling ideal para cada caso e sejam tomados os devidos cuidados durante a aplicação do produto.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Microagulhamento pode ser feito em casa?

Microagulhamento pode ser feito em casa?

Quem não quer ter uma pele bonita, não é mesmo? O microagulhamento está entre os tratamentos mais efetivos para devolver a vitalidade, corrigir hiperpigmentações e até potencializar outros tratamentos, como reposição de vitamina C na pele. Quer saber mais sobre este tratamento? Então, nos acompanhe nessa leitura!

O que é microagulhamento?

Microagulhamento é uma técnica dermatológica utilizada para estimular a produção de colágeno e dar mais firmeza à pele. Ele ajuda na redução de manchas e na melhor absorção de cosméticos (drug delivery).

Também chamada de indução percutânea de colágeno (IPCA), a técnica utiliza agulhas de diferentes espessuras e profundidades em um rolo, que é passado na pele em diferentes sentidos. O objetivo do tratamento é gerar micro lesões na pele, que estimulam sua regeneração com maior vascularização e elasticidade. 

Os tipos de agulha, intensidade de aplicação e forma de realizar o procedimento dependem da região da pele, necessidades e objetivos de cada pessoa.

Quando é indicado?

As indicações profissionais para tratamentos como o microagulhamento estão voltadas para quem deseja tratar melasmas, manchas de acne, além de devolver o viço e a firmeza. A técnica possibilita a maior produção de colágeno na região, além de potencializar tratamentos tópicos, auxiliando na penetração dos princípios ativos desejados na pele.

Riscos e cuidados

Como esse tratamento provoca microlesões na pele, os tecidos ficam propensos à entrada de bactérias e demais agentes prejudiciais. Portanto, ele demanda cuidados especiais com a assepsia e com o uso de materiais descartáveis.

Além disso, uma pessoa que passa por sessões de microagulhamento deve se atentar ao uso de protetor solar para evitar manchas e a redução da efetividade do tratamento.

Contraindicações

Tratamentos com múltiplas agulhas na pele são contraindicados em alguns casos, como:

  • gravidez, caso o profissional pretenda utilizar algum medicamento no procedimento;
  • câncer de pele na região;
  • propensão à formação de quelóides;
  • baixa imunidade;
  • herpes ativa;
  • uso de medicamentos anticoagulantes.

Posso fazer microagulhamento em casa?

Não é recomendado realizar o microagulhamento em casa. Essa técnica deve ser feita por um profissional de dermatologia, preparado para avaliar o caso de ponta a ponta e realizar o procedimento da forma adequada.

Como mencionado anteriormente, deve ser feita a assepsia correta da pele e a utilização de materiais descartáveis e adequados a cada objetivo do paciente. O microagulhamento é um tratamento que pode apresentar riscos e necessita de uma avaliação especializada antes da sua realização.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Drug Delivery para o fortalecimento capilar

Drug Delivery para o fortalecimento capilar

Uma técnica que tem mostrado ótimos resultados nos consultórios dermatológicos para acelerar os resultados de alguns tratamentos é o Drug Delivery. Ela atua ajudando a absorção de ativos utilizados em tratamentos específicos, podendo inclusive ser utilizada para o fortalecimento capilar. Quer entender se o Drug Delivery é uma técnica adequada para você? Então, nos acompanhe!

O que é o Drug delivery?

A técnica consiste em formar pequenas lesões na pele a receber um tratamento com produto tópico, para que seja melhor absorvido. O método pode ser feito por microagulhamento, em que é utilizado um rolo revestido por agulhas, que pode variar em quantidade, tamanho e profundidade, de acordo com a finalidade do tratamento. O roller, como é chamado o aparelho, auxilia a penetração do ativo nas camadas mais profundas da pele, trazendo resultados melhores e mais rápidos.

Fortalecimento capilar

Para evitar a queda dos fios e estimular o crescimento na região, o profissional que irá realizar o procedimento faz a assepsia necessária do couro cabeludo e utiliza um anestésico local para iniciar o procedimento de microagulhamento da região.

O próprio microagulhamento estimula a renovação celular, a produção de queratina e de colágeno da pele. Ele torna as camadas mais profundas do tecido preparadas para a absorção dos medicamentos e induz o fortalecimento capilar, durante e após o procedimento.

Qualquer pessoa pode fazer o procedimento?

Infelizmente, tratamentos potencializados por drug delivery não são para todos. Isso porque ocorre uma exposição maior da pele, deixando o tecido mais acessível para a penetração não só de ativos benéficos para tratar a queda capilar, mas também para bactérias e outros fungos prejudiciais.

Portanto, todo o procedimento deve ser feito com materiais descartáveis e com o cuidado de assepsia e pós-tratamento adequados. Um microagulhamento não deve nunca ser feito sem a supervisão e acompanhamento de um profissional especializado. Então, se deseja buscar pelo procedimento, converse com um dermatologista para as avaliações e orientações necessárias.

Mesmo tomando todos os cuidados devidos, existem contra-indicações para alguns casos. São eles:

  • gravidez
  • herpes local ativa
  • tratamento com isotretinoína nos últimos 6 meses
  • lesões na pele
  • uso de anticoagulantes
  • diabetes não controlada
  • câncer de pele

Se você se enquadra em algum dos casos citados acima, é melhor ficar longe do drug delivery. Existirão outras técnicas mais adequadas para o seu fortalecimento capilar, compatíveis ao seu organismo, que oferecerão riscos menores.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Ácido hialurônico e toxina botulínica: qual a diferença?

Ácido hialurônico e toxina botulínica: qual a diferença?

Atualmente, o botox e o preenchimento com ácido hialurônico estão em alta na mídia. Isso ocorre principalmente pela exposição feita por famosos e influenciadores digitais. De todo modo, pouco se sabe sobre os princípios ativos dessas técnicas, além do resultado estético que proporcionam.

O ácido hialurônico é o princípio ativo utilizado nos procedimentos de preenchimento para rugas, enquanto a toxina botulínica é encontrada nas injeções de botox para prevení-las. Quer saber mais sobre a diferença entre as duas e conhecer as particularidades dos procedimentos? Então, continue conosco nessa leitura!

Ácido hialurônico: o que é e quando é indicado?

O ácido hialurônico é um composto que existe naturalmente em nossa pele. Ele é responsável pela firmeza e hidratação da estrutura. À medida em que envelhecemos, a produção dessa substância diminui, abrindo caminho para as rugas.

O ácido hialurônico pode ser utilizado em injeções de preenchimento corretivo para rugas e imperfeições da pele, mas também está presente em muitos cremes hidratantes e pode ser usado diariamente, de forma tópica.

Toxina botulínica: quais os efeitos e benefícios da aplicação?

A toxina botulínica, princípio ativo das famosas injeções de botox, atua diminuindo a movimentação muscular na região da aplicação, para que marcas de expressão não se instalem por ali e se tornem uma ruga, por exemplo.

Injeções de botox são indicadas em casos em que marcas e rugas só aparecem quando a pessoa esboça determinadas expressões, ou quando o movimento facial é “exagerado” pela ação dos músculos do local, como em um sorriso gengival.

A diferença entre o botox e o preenchimento

Apesar de terem a finalidade de entregar uma harmonia estética maior ao rosto, os procedimentos são indicados em casos diferentes. Para amenizar as rugas já consolidadas, por exemplo, o botox não ajuda tanto. Ele age reduzindo a atividade muscular da região, prevenindo o aparecimento delas. 

Para as rugas já existentes, é necessário um preenchimento de ácido hialurônico naquele sulco para corrigi-lo.

Já em casos em que o paciente deseja prevenir rugas futuras, causadas por marcas de expressão frequentes, ele pode utilizar as aplicações de toxina botulínica para suavizar a movimentação dos músculos.

Outros usos estéticos do botox são o arqueamento das sobrancelhas, a correção do sorriso gengival e a diminuição da sudorese. Nesses casos, o paciente evita uma intervenção cirúrgica e pode ter resultados tão bons quanto.

Qual das técnicas utilizar?

Não existe técnica melhor ou pior. Existe a mais adequada às suas necessidades. Pense consigo: o que você deseja mudar? Algo te incomoda esteticamente? 

Ao encontrar a resposta, um profissional especializado poderá te orientar sobre o melhor procedimento para o seu caso, seja ele o botox ou o preenchimento com ácido hialurônico.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
4 cuidados para prolongar o efeito do preenchimento facial

4 cuidados para prolongar o efeito do preenchimento facial

Se você já passou por um preenchimento facial com ácido hialurônico, sabe que os efeitos são incríveis, mas não definitivos. Entretanto, existem formas de prolongar o tempo entre os retoques e aproveitar melhor sua aplicação. Quer conhecê-las? Então, continue a leitura!

Quanto tempo dura o efeito do preenchimento facial?

O efeito do preenchimento com ácido hialurônico pode durar, em média, um ano e meio. Como o ácido hialurônico é absorvido aos poucos pelo corpo, existem muitos fatores que influenciam nesse processo e que variam de corpo para corpo. 

Em alguns casos, os resultados das aplicações podem chegar a durar mais tempo, se os cuidados necessários com a pele forem tomados e se o próprio organismo da pessoa que recebeu o procedimento permitir.

Como ter maior durabilidade?

Alguns cuidados podem ser tomados para que sua aplicação permaneça bonita por mais tempo. Confira, abaixo:

1# Hidratação da pele

Hidratar a pele é um ponto muito importante, se quiser um efeito mais duradouro do preenchimento com ácido hialurônico. A hidratação atrai água para a pele. Repor líquido contribui para a produção de colágeno e elastina. O recomendado para a hidratação da pele é o uso de cremes tópicos baseados em ácido hialurônico.

2# Uso de proteção solar

Além de evitar a exposição solar após realizar o procedimento para evitar manchas e outras marcas indesejadas, é importante ser bem rígido com o uso do protetor solar. Deve ser utilizado fator acima de 30, mesmo em ambientes em que não ocorra exposição direta ao sol, como em escritórios e outros ambientes iluminados artificialmente.

3# Antioxidantes tópicos

Além de protegerem contra a poluição, os antioxidantes tópicos, como a vitamina C em gel/creme, ajudam a segurar a hidratação. Esses produtos também mantém os efeitos de proteção solar, desacelerando o envelhecimento do tecido cutâneo e prolongando os efeitos do ácido hialurônico.

4# Hábitos saudáveis

Manter uma alimentação saudável, a prática de exercícios físicos regulares, evitar o consumo de alimentos processados, álcool e cigarro ajudam seu corpo a se manter mais forte. Consequentemente, o organismo fica mais apto para combater os efeitos do envelhecimento e a absorção do ácido hialurônico aplicado.

É fato que o preenchimento facial traz resultados muito bons para aqueles que não cogitam se submeter a intervenções cirúrgicas. No entanto, é muito importante cuidar da saúde de forma geral para que a pele continue sempre bonita.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Harmonização facial: como é feita?

Harmonização facial: como é feita?

Muito popular entre os famosos da atualidade, e cada dia mais procurada, a harmonização facial atua fazendo pequenas alterações no rosto e sorriso do paciente, para torná-lo mais harmônico, como o próprio nome diz. Quer entender como é realizado o procedimento? Então, não deixe de conferir esse texto até o final!

O que é harmonização facial?

Partindo da premissa de que o “belo” está associado à simetria e harmonia dos traços faciais, foi desenvolvida a técnica de harmonização facial, ou harmonização orofacial. O tratamento consiste em retoques estéticos para uma boa harmonização entre dentes, boca, pele e traços do rosto. Tudo isso torna a aparência mais agradável esteticamente.

A harmonização pode englobar diferentes procedimentos, como microcirurgias, aplicação de facetas de porcelana nos dentes, preenchimentos em locais pontuais do rosto, entre outros. Esta é uma técnica multidisciplinar. Os profissionais aptos a realizar esse tipo de tratamento são cirurgiões dentistas e médicos dermatologistas.

Como é realizada?

Inicialmente, é feita uma avaliação dos traços e sorriso do paciente, do rosto como um todo e em seus detalhes. O objetivo é identificar tudo aquilo que pode ser alterado para que todos esses componentes se comuniquem de forma harmônica e agradável esteticamente.

Em casos de intervenções no sorriso, profissionais de odontologia, como cirurgiões dentistas e ortodontistas, devem entrar em cena para buscar o alinhamento dos dentes, correção de imperfeições, gengivoplastias, clareamentos a laser para um resultado mais rápido.

Posteriormente, o profissional de medicina, especializado em dermatologia ou cirurgia plástica, entra em cena para identificar os pontos do rosto onde pode ser interessante realizar determinados procedimentos. Eles podem incluir a remoção de manchas, preenchimentos com ácido hialurônico, aplicação de toxina botulínica para suavização de movimentos musculares, além de pequenos procedimentos cirúrgicos que podem melhorar os resultados dos outros procedimentos planejados.

Procedimentos mais utilizados na harmonização facial

Entre os procedimentos mais comuns utilizados em processos de harmonização facial em um tratamento multidisciplinar, ou seja, com diferentes profissionais atuando em conjunto, podemos citar:

  • tratamento ortodôntico;
  • gengivoplastia;
  • bichectomia;
  • aplicação de facetas de porcelana nos dentes, as famosas “lentes de contato”;
  • preenchimento com ácido hialurônico para diferentes finalidades, como preencher rugas, aumentar os lábios, definir o contorno do rosto, remodelar o nariz, entre outros;
  • clareamento dental;
  • lifting facial.

Apesar de envolver muitos procedimentos diferentes, cada caso é único e deve ser tratado como tal. Antes da avaliação por um profissional habilitado é quase impossível dizer todos os procedimentos que o paciente terá que se submeter para obter os resultados desejados.

Se você tem interesse em realizar procedimentos de harmonização facial, a recomendação é procurar um profissional que tenha experiência nesse campo e que possa te avaliar, orientar e acompanhar durante o tratamento para, assim, obter os melhores resultados possíveis.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Preenchimento facial: saiba tudo sobre o ácido hialurônico

Preenchimento facial: saiba tudo sobre o ácido hialurônico

O preenchimento facial nos dias de hoje, era Kardashian, virou uma febre. Muitas pessoas buscam pelo procedimento para reduzir olheiras, preencher rugas, ter lábios mais voluptuosos, entre outras razões. Quer entender melhor sobre as particularidades dessa técnica? Então, nos acompanhe nessa leitura!

O que é preenchimento facial?

Entende-se por preenchimento uma técnica dermatológica que utiliza de substâncias injetáveis para adicionar volume a partes da pele, como sulcos de rugas, locais específicos para harmonização estética, amenização de olheiras, contorno facial, entre outras finalidades. 

No preenchimento com ácido hialurônico tem-se uma segurança maior, por ser uma substância naturalmente produzida pelo organismo, sendo biocompatível.

Por que preencher a pele com ácido hialurônico?

À medida em que vamos envelhecendo, a produção de ácido hialurônico, grande responsável pela hidratação e firmeza da pele, cai drasticamente. Isso pode levar à formação de rugas, flacidez, perda de contornos e desarmonização estética. Uma maneira de amenizar essas “marcas do tempo” é preenchendo o local desejado com ácido hialurônico.

O procedimento dói?

O preenchimento com ácido hialurônico é feito por meio de injeções superficiais do produto entre as células da pele. Ele estimula a retenção de água, produção de colágeno e elastina naquele local. Antes do procedimento, é utilizado um anestésico local ou tópico, dependendo da região. 

Entretanto, dor é sempre um fator relativo. As agulhas utilizadas são finas e a aplicação é rápida, no entanto, pode causar edemas posteriores e um pouco de inchaço, até se obter o resultado final. 

Entretanto, apesar de ocorrer a perfuração da pele, algumas pessoas não se incomodam com a dor, enquanto outras sentem incômodo durante as aplicações. A dor é variável de organismo para organismo.

Quem pode realizar a aplicação?

O ácido hialurônico é um componente que existe em nossa pele, biocompatível e que pode ser absorvido pelo corpo. Entretanto, o procedimento não deve ser realizado em mulheres grávidas ou lactantes, pessoas com problemas imunológicos ou com alergia a algum componente ou por quem apresenta inflamações ou infecções no local que deseja realizar a aplicação.

Em todo caso, é necessária a avaliação médica para conhecer o histórico do paciente, seus anseios e a definição do preenchimento facial adequado para se chegar aos resultados buscados pelo paciente de forma mais rápida, eficiente e segura.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Conheça os tipos de radiofrequência e suas diferenças

Conheça os tipos de radiofrequência e suas diferenças

Atualmente, a radiofrequência é um procedimento de estética avançada disponível no mercado que auxilia na eliminação de rugas, flacidez, estrias e fibroses, por meio de frequências eletromagnéticas. Quer saber mais sobre o tratamento e conhecer os diferentes tipos existentes? Então, não deixe de conferir este artigo! 

Como funciona a radiofrequência?

Na radiofrequência, é utilizado um aparelho que emite frequências eletromagnéticas para elevar a temperatura das camadas mais profundas da pele, atingindo temperaturas de até 40ºC. Ele atua do interno para as camadas externas da pele.

Tal elevação térmica estimula a produção de colágeno, oxigenação, circulação, além de provocar reações benéficas ao tecido, tornando a aparência da pele mais bonita e viçosa..

Tipos de radiofrequência

Unipolar ou monopolar

O aparelho unipolar possui menor superfície de contato, mas pode atingir áreas mais profundas da pele, sendo recomendado para diminuir gordura localizada e celulites. É utilizado um eletrodo para emitir as ondas que aquecem o tecido, e outro eletrodo de retorno da corrente. Esse tipo de radiofrequência não é invasiva, mas causa um pouco de dor e necessita de resfriamento local.

Bipolar

Não atinge as camadas mais profundas da pele, como o unipolar, porém, é menos agressivo. O aparelho transmite menor corrente entre os eletrodos e mantém temperaturas constantes. As indicações da radiofrequência bipolar são a redução de rugas e flacidez da pele.

Tripolar

A radiofrequência tripolar possui profundidade variável e requer a aplicação de um gel condutor. É um tipo de radiofrequência que não causa dor e possui alta concentração de corrente. Requer que o paciente remova os pelos da região para não conduzirem a eletricidade, dando a sensação de choque. Esse tipo de tratamento é indicado para tratar flacidez, redução de celulites e enfatizar os contornos do corpo.

Multipolar

A radiofrequência multipolar consiste em uma combinação das correntes elétricas que aquecem o tecido subcutâneo com pulsos magnéticos, tornando o tratamento mais rápido e homogêneo. Esse tipo de radiofrequência é indicado para ressaltar contornos do corpo e do rosto, tendo ponteiras específicas para cada um dos casos. Apresenta resultados mais rápidos e satisfatórios em comparação aos demais.

Contraindicações

Por ser um tipo de tratamento que envolve correntes elétricas, nem todo mundo pode se aventurar em um desses procedimentos. Veja quando o procedimento não é indicado.

  • pacientes com marcapasso;
  • pacientes com DIU;
  • gestantes e lactantes;
  • pacientes com câncer ou doenças autoimunes;
  • infecções;
  • pacientes em processo de cicatrização de lesões ou cirurgias;
  • pacientes com próteses de metal;
  • problemas de coagulação;
  • pele lesionada no local;
  • pacientes hipertensos;
  • pacientes com diabetes.

Mesmo não apresentando os fatores contra-indicados acima, ao desejar fazer um tratamento de radiofrequência, o médico dermatologista deve ser consultado para uma avaliação de risco e recomendação do procedimento e cuidados adequados.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em dermatologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Dicas para evitar o sobrepeso

Dicas para evitar o sobrepeso

Quando o peso de uma pessoa não é proporcional à estatura, idade e sexo, sendo mais alto do que deveria, podemos dizer que essa pessoa está com sobrepeso. As causas do sobrepeso são diversas. Esse é um problema cada dia mais comum na nossa sociedade.

Hoje em dia, passamos muito tempo sentados. Trabalhamos na frente de computadores. Estamos expostos a uma variedade muito grande de alimentos industrializados. Além disso, os hábitos de inatividade e alimentação incorreta podem te levar a um caminho de peso excessivo. Continue a leitura para aprender como evitar esse mal!

Como saber se estou fora do meu peso ideal?

Definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a escala conhecida como IMC (Índice de Massa Corporal) utiliza valores de peso e altura para considerá-lo em diferentes categorias, quanto à proporção entre os dois números.

Uma pessoa considerada com sobrepeso tem IMC entre 25 e 29,99. O cálculo é feito da seguinte fórmula:

(peso em kg) / (altura em metros)²

Lembrando que a fórmula do IMC não utiliza percentuais de massa muscular e gordura para indicar o índice. É importante considerar que existem casos em que pessoas possuem pouca gordura e massa muscular mais desenvolvida. Como o músculo pesa mais do que a gordura, pode ser que a pessoa seja considerada em sobrepeso, mas não se enquadre nessa categoria de fato.

As melhores formas de evitar o sobrepeso

Ter bons hábitos alimentares e uma rotina de atividades físicas são os pilares para se manter em um peso saudável e prezar pela sua saúde em geral. Mas, além de evitar alimentos prejudiciais e fugir do sedentarismo, o que mais você pode fazer para evitar o sobrepeso? Veja, a seguir.

1# Hidrate-se bem

Mais da metade do nosso corpo é composto por água. Sabendo disso, é importante se manter hidratado para que o funcionamento saudável de todas as funções dos órgãos, glândulas e metabolismo se mantenham em dia.

2# Esteja em dia com seus exames

Saiba como está seu corpo. Seus níveis de glicose, colesterol, hormônios e sobre o funcionamento do seu organismo como um todo. Sinais de problemas que podem, futuramente, levar ao sobrepeso podem ser detectados mais cedo, com a devida atenção aos exames e consultas de rotina.

3# Evite exageros

Exageros nunca são bons para a saúde. Busque por bons hábitos, como a prática regular de exercícios e o consumo de alimentos de maior qualidade nutricional. Nunca abuse de nenhum deles. O correto é buscar o equilíbrio das quantidades de exercícios e de alimentos.

4# Busque estar bem consigo mesmo

Saúde e bem-estar não dizem respeito apenas à parte física. As mudanças, muitas vezes, vêm de dentro para fora. Um acompanhamento multidisciplinar, com auxílio de psicólogos e profissionais de nutrição, pode ser um grande fator aliado na fuga do sobrepeso.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em nutrologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos
Obesidade e sobrepeso: entenda a diferença

Obesidade e sobrepeso: entenda a diferença

Quando falamos sobre obesidade e sobrepeso, muitos pensam se tratar do mesmo problema, mas se enganam. Apesar de terem causas e características similares, na maior parte dos casos se tratam de problemas distintos e com suas próprias particularidades. Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura!

A principal diferença entre o sobrepeso e a obesidade

Ambas as condições dizem respeito ao peso desproporcional à estatura, sexo e idade. Entretanto, o excesso de peso na obesidade é, majoritariamente, composto por gordura e excede o quadro de sobrepeso. Portanto, o quadro é considerado uma patologia por envolver muitos riscos para a saúde do indivíduo.

No sobrepeso, o percentual de gordura excessiva pode não ser tão alto assim, apesar de o indivíduo apresentar uma desproporção de peso em relação a sua altura. De toda forma, na maioria dos casos de sobrepeso, as pessoas apresentam percentuais de gordura acima do ideal. No entanto, tal condição não representa grande risco para a saúde, quando comparados a um quadro de obesidade.

Definindo o sobrepeso

Para definir uma condição de sobrepeso, é utilizada a ferramenta de medição do Índice de Massa Corporal, o IMC. De acordo com os parâmetros do IMC, definidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), podemos considerar que o indivíduo está:

  • Abaixo do peso – IMC abaixo de 18,5;
  • No peso ideal – IMC entre 18,5 e 24,99;
  • Com sobrepeso – IMC entre 25 e 29,99;
  • Em estado de obesidade – IMC entre 30 ou mais.

Vale lembrar que esses parâmetros só podem ser levados em consideração para indivíduos em idade adulta. Além disso, outra referência é o comprimento da circunferência do abdômen. As medidas saudáveis para as mulheres é menor do que 82 cm. Para os homens, o valor deve ser menor do que 95 cm.

Calculando o seu IMC

Para calcular o IMC, é preciso duas informações: peso em quilogramas e altura em metros. Com os dados em mãos, basta fazer o seguinte cálculo: 

(peso) / (altura)²

Faça o cálculo do IMC para ter uma noção sobre qual categoria você se encontra. Entretanto, não se assuste com os resultados: o IMC não diferencia percentual de gordura de massa muscular.

Cada caso deve ser tratado em particular

O médico sempre deve ser consultado para um diagnóstico correto. Cada corpo tem seu histórico e particularidades. De toda forma, é importante manter hábitos de vida saudáveis, como exercícios físicos regulares, alimentação saudável e sono de qualidade para evitar quaisquer complicações em sua saúde.

Quer saber mais sobrepeso e obesidade? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em nutrologia em Cotia!

Posted by Dra. Larissa Viana in Todos